Sabrina Petraglia fala de esforço para viver personagem com deficiência: “Joelho cansado”

Sabrina Petraglia vive a Shirlei de “Haja Coração”. À Marie Claire, ela conta como foi a preparação para a personagem e diz que precisa fazer fisioterapia por conta de andar mancando

 

Foi aos 24 anos que Sabrina Petraglia decidiu largar o trabalho de jornalista para tentar a profissão de atriz. Ela trabalhava na rádio Eldorado apresentando um programa de cultura. “Ia virar uma crítica de teatro frustrada. Ia criar um câncer. Eu gostava, escrevia ok, não era a melhor, longe disso. Sempre fiz teatro e achava um hobby, não acreditava. Assistia peças e não subia no palco.”

Sabrina foi atrás do seu sonho e conquistou papéis nas novelas “Passione”, “Flor do Caribe” e “Alto Astral”. Atualmente, aos 33 anos, ela vive a Shirlei em “Haja Coração”, que tem uma luxação no quadril e anda mancando. A personagem já foi interpretada em “Torre de Babel”, pela Karina Barum. Agora, porém, ela aparece em um enredo diferente e, por isso, Sabrina buscou suas próprias referências. O papel de Aracy Balabanian na novela “Nino, O Italianinho” foi uma de suas inspirações.

Além disso, ela passou por um processo de observação. “Fui no Hospital das Clínicas, em São Paulo, na parte ortopédica e fiquei uma tarde sentada lá, observando as pessoas”, contou. “De repente, comecei a notar no dia a dia que várias pessoas mancavam, onde eu ia sempre via. Meu olhar começou a ficar bem apurado.”

Ele teve também uma preparação para aprender a mancar com uma professora de consciência corporal. “Levantamos juntas quatro tipos de mancos. Fui andando e testando em sala de ensaio.” Sabrina também comprou uma bota ortopédica e saiu andando pelas ruas de São Paulo. “Moro na região da Vila Romana, aí fui lá para a lapa de baixo. Depois fui para a Oscar Freire. Como tenho uma carreira muito forte no teatro e estou começando agora na televisão, não tive essa coisa de assédio.” Ela contou que sentiu na pele como é ser uma pessoa com deficiência. “Independente de classe social, educação, de ser criança ou adulto, a reação do ser humano é a mesma. As pessoas olham. É um fato!”, afirmou. “Não é um preconceito, mas senti que olhavam e pensavam: ‘olha, tão bonitinha, mas tem um probleminha’. E apontavam.’”

A princípio, ela disse que se sentiu incomodada e então começou a trabalhar a personagem por dentro. “Queria contar para elas que não era verdade, que eu não era daquela forma. Continuei andando, fiquei com vergonha e queria ficar invisível. Fiquei com raiva, orgulhosa e depois comecei a me aceitar naquela condição até não me incomodar mais. Via que as pessoas olhavam e até dava um sorrisinho.”

SACRIFÍCIO PELA ARTE
Por conta de ter que mancar para o papel, Sabrina contou que está fazendo sessões semanais de fisioterapia. “Teve um dia que gravei muito, fiz muitas cenas andando. Fizemos uma externa e tem uma cena na escada que ela sobe e desce 14 andares. Por conta disso meu joelho ficou cansado. Desalinho todo o meu eixo direito. Parece simples na TV, mas é um trabalhão”, contou.

“Mas alongo bastante e tenho uma fisioterapeuta maravilhosa que me acompanha. Faço yoga então fortaleço bastante os músculos para não ter problema. Também fiz muito aula de consciência corporal, tenho um cuidado.”

Esse foi o primeiro sacrifício pela arte que Sabrina teve que fazer. Ela garantiu que faria qualquer outro que não fosse irreversível. “Não afetando a saúde, tendo um cuidado, um respaldo, eu faria. Engordaria, emagreceria, cortaria o cabelo. Mas não tatuaria de verdade, por exemplo.”

Shirlei e Tancinha (Foto: Divulgação/TV Globo)